Aldeia pela Terra": Amazônia, "floresta de culturas"

O Papa Francisco considera “louvável o esforço de organismos internacionais e de organizações da sociedade civil que sensibilizam as populações e cooperam de modo crítico, inclusive utilizando mecanismos legítimos de pressão, a fim de que cada governo cumpra seu dever, não delegável, de preservar o ambiente e os recursos naturais do próprio país, sem vender-se a ambíguos interesses locais ou internacionais” Cidade do Vaticano

A Amazônia como “floresta de culturas” será um dos temas principais da edição 2019 de “Aldeia pela Terra”, iniciativa organizada todos os anos em Roma pelos Focolarinos e pelo Dia da Terra Itália, pouco depois do Dia Internacional da Terra, celebrado em 22 de abril pelas Nações Unidas.

Culturas indígenas sempre mais em risco Este sábado, 27 de abril, também em vista da Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos dedicada à Região Pan-Amazônica que se realizará de 6 a 27 de outubro próximo, no Vaticano, os participantes se concentrarão em particular sobre culturas indígenas sempre mais em risco devido ao desmatamento da floresta e ao fenômeno da apropriação de terras.

A Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos, o Dicastério para o serviço do desenvolvimento humano integral e o Pontifício Conselho para a Cultura são alguns dos organizadores desta jornada, na Villa Borghese de Roma, dedicada à Amazônia.

Povos amazônicos testemunham sua condição de vida Estão previstos os pronunciamentos do secretário geral do Sínodo dos Bispos, cardeal Lorenzo Baldisseri; do frade capuchinho especialista em populações ribeirinhas do Rio Solimões, Pe. Frei Paolo Braghini; bem como do jurista da Universidade do Vale do Itajaí – SC, Prof. Rafael Padilha.

Além disso, serão difundidas mensagens do presidente da Repam (Rede Eclesial Pan-Amazônia), cardeal Claudio Hummes, de representantes dos povos amazônicos que testemunham sua condição, bem como de vários professores da Faculdade Católica de Rondônia.

2 milhões e 800 mil indígenas na região pan-amazônica A região amazônica, que representa 43% do América do Sul, se estende por nove nações, acolhe 35 milhões de pessoas e cerca de 2 milhões e 800 mil indígenas pertencentes a 390 populações, 137 das quais ainda isoladas e não contatadas. Na Amazônia se falam 240 línguas pertencentes a 49 famílias linguísticas.

Francisco na Laudato si’, importância da Amazônia Em sua Carta encíclica Laudato si’ sobre o cuidado da casa comum, o Papa Francisco recordou a importância deste lugar “para o conjunto do planeta e para o futuro da humanidade”.

Por conseguinte, o Pontífice considera “louvável o esforço de organismos internacionais e de organizações da sociedade civil que sensibilizam as populações e cooperam de modo crítico, inclusive utilizando mecanismos legítimos de pressão, a fim de que cada governo cumpra seu dever, não delegável, de preservar o ambiente e os recursos naturais do próprio país, sem vender-se a ambíguos interesses locais ou internacionais”.

Carta internacional de Roma sobre clima e saúde Entre os eventos desta nova edição de “Aldeia pela Terra”, destacam-se a jornada sobre “Saúde e clima” organizada em colaboração com o Departamento ciências da saúde da mulher e da criança e da saúde pública da Policlínica Agostino Gemelli de Roma.

Será evidenciado o compromisso de centenas de pesquisadores que, na recente Carta internacional de Roma sobre clima e saúde, recomendaram fazer crescer a consciência sobre essas temáticas buscando colocá-las no centro de todas as agendas.

Iniciativa recebeu visita surpresa do Papa Três anos atrás “Aldeia pela Terra” recebeu a visita surpresa do Papa Francisco. Em seu discurso, dirigindo-se aos participantes, o Pontífice afirmara: “A floresta é repleta de árvores, de verde, mas demasiadamente desordenada... assim é a vida! E passar do deserto à floresta é um grande trabalho que vocês fazem”.

(L'Osservatore Romano)

Fonte | Vatican News

Aldeia pela Terra": Amazônia, "floresta de culturas"
Compartilhar